quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Marcos Tadeu Silva Gama

Marcos Tadeu Silva Gama
9192-9365 ou  3671-6395

"Sou paracatuense e sou favorável ao relatório publicado no Jornal "O Lábaro". Damos total apoio à ação liderada pela Fundação Acangaú e gostaria de falar em nome da Comunidade do Machadinho, da qual sou Presidente, expondo nossas idéias contrárias à construção da nova barragem, pois só vem nos causar transtornos. A nossa comunidade está sendo desmantelada pela RPM. São moradores que nasceram e foram criados naquela região e hoje têm que dar lugar à invasão dessa empresa. Se a RPM adquirir todos os imóveis rurais do Machadinho, destruirá os vínculos familiares e de amizade que existem há mais de 200 anos. Só no Machadinho são trinta e sete famílias de pequenos produtores que sobrevivem das suas propriedades. Minha propriedade está a jusante da área da nova barragem, e a RPM não está preocupada com o que poderá acontecer com todos os moradores que estão na mesma situação. Com a construção da barragem, corremos o risco de perder os melhores acessos às nossas propriedades, que existem desde a criação do arraial. A RPM adquire primeiro as terras dos grandes proprietários, que são aqueles que poderiam apoiar os pequenos produtores, pela sua melhor situação e capacidade de entendimento da lei e de negociação. E os pequenos produtores são deixados à mercê da própria sorte. Eles nos "proibiram" de fazer qualquer investimento em nossas propriedades, como se as nossas propriedades já fossem deles. Se essa barragem for construída, vai soterrar as três principais nascentes que alimentam o Ribeirão Santa Rita."