quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Geraldo Lúcio Quaresma Lemos

Geraldo Lúcio Quaresma Lemos

economista, biólogo, Presidente da AARPA- Associação dos Amigos do Rio Paracatu. (depoimento tomado dia 13 de outubro de 2007). Geraldo.quaresma@bcb.gov.br

"Uma das melhores coisas que já aconteceram com relação ao meio ambiente em Paracatu foi esta percepção, essa contribuição que a Fundação Acangaú trouxe. Antes disso, muitas entidades não se expressavam, temendo represálias. Outros acreditavam que seria uma luta perdida, criticar a atuação de uma grande e poderosa empresa. O relatório colocou em evidência os riscos que a mineradora traz, e os benefícios que poderia trazer para a comunidade. Esse relatório informa e é bastante esclarecedor. Até então, ninguém imaginava que a mineradora tivesse a obrigação de reparar os danos que causa, implantando as medidas compensatórias sugeridas no relatório. Foi necessário haver uma entidade que sintetizasse as idéias, para fundamentar as ações. Esse papel de vanguarda foi assumido pela Fundação Acangaú. Como presidente da Associação dos Amigos do Rio Paracatu, AARPA, eu apóio o relatório, inclusive porque as medidas recomendadas irão beneficiar o Córrego Rico e seus tributários, que são afluentes do Rio Paracatu. Além disso, esse relatório poderá induzir a união das entidades em favor de Paracatu. Eu acredito na veracidade do relatório e espero que a alta direção da RPM implante todas as medidas recomendadas, para o bem da comunidade, do meio ambiente e do futuro da própria empresa em Paracatu."