quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Geotecnia Ambiental aplicada ao Controle de Áreas Degradadas

Geotecnia Ambiental aplicada ao Controle de Áreas Degradadas
Terezinha Cássia de Brito Galvão, Ph.D
Prof. Adjunto da Escola de Engenharia da UFMG
http://www.cemac-ufla.com.br/trabalhospdf/Palestras/palestra%20terezinha.pdf

A geração da maior parte de poeira se situa nas práticas de agricultura, construção, mineração, extração mineral, e atividades de disposição de resíduos. Partículas de argila levadas pelo vento podem viajar grandes distâncias por processos de convecção, dispersão e difusão. No entanto, partículas de poeira não são visíveis, pois são mais finas que 60 μm (diâmetro correspondente a um fio de cabelo). Partículas de argila coloidal podem flutuar na atmosfera, tornando-se potenciais agentes de transporte de substancias tóxicas através do contato com um ou mais dos diversos contaminantes perigosos (da ordem de 190) usualmente encontrados no ar (Bae, 2001). Por exemplo, foi publicado (www.epa.gov/region09/air) que o leito do Owens Lake (Los Angeles, CA) emite cerca de 300.000 tons poeira com diâmetro menor que 10 μm por ano, destas 30 toneladas são de arsênico e 9 toneladas são de cádmio.