sexta-feira, 10 de abril de 2009

Justiça de Minas proíbe expansão de mineradora em área quilombola

Justiça de Minas proíbe expansão de mineradora em área quilombola

PUBLICIDADE

CRISTINA MORENO DE CASTRO
da Agência Folha


LEIA A ÍNTEGRA EM: http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u547541.shtml


A Justiça Federal suspendeu processo de licenciamento ambiental de expansão da Rio Paracatu Mineração, que afetaria três comunidades quilombolas em Paracatu (noroeste de Minas Gerais) no entorno da mina. Cabe recurso.

O projeto da empresa, do grupo canadense Kinross, pretende aumentar a lavra do minério de 17,2 milhões de toneladas por ano para 61 milhões, o que a tornaria a maior produtora de ouro do país.

Para isso, a mineradora teria que construir uma nova barragem de resíduos com área equivalente a 24 mil campos de futebol, segundo o procurador Onésio Soares Amaral, que propôs a ação cautelar.

Parte desses resíduos seria armazenada em Machadinho, onde vivem cerca de 15 famílias quilombolas, disse o procurador. Ao todo, cerca de 200 famílias vivem nessa comunidade e em Amaros e São Domingos.