quarta-feira, 13 de maio de 2009

Três razões para os funcionários da RPM/Kinross aderirem à greve

.
Três razões para os funcionários da RPM/Kinross aderirem à greve

Por Sergio Ulhoa Dani

Vou apresentar aqui apenas três razões pelas quais os funcionários e fornecedores da RPM/Kinross deveriam aderir à greve iniciada pelos servidores públicos da prefeitura de Paracatu: 

1. A primeira motivação da greve dos funcionários da prefeitura é o salário do prefeito Vasquinho, considerado imoral: R$16 mil por mês, ou seja, 32 vezes o salário mínimo. O prefeito ganha por dia o que muitos funcionários da prefeitura não ganham por mês. Agora segura firme na cadeira. Andam espalhando em Paracatu que o salário do gerente-geral da mina da RPM/Kinross é R$60 mil por mês. Isso é o que andam espalhando, mas ainda que seja, digamos, metade disso, já seria o maior salário pago em toda a Paracatu, de 30 a 60 vezes o salário médio dos paracatuenses que trabalham na mina; algo entre 60 e 100 vezes o salário mínimo. Tudo bem - vão dizer alguns - isso é salário de iniciativa privada, não temos nada com isso. Concordo e discordo. É salário da iniciativa privada de uma empresa que está transformando nossa cidade e região numa privada de rejeitos. Essa é a iniciativa-privada da RPM/Kinross: destróem a nossa cidade e a nossa saúde, exploram as nossas riquezas e o nosso trabalho, de forma contundente, deixando seus excrementos para trás, e deixando cair da mesa do festim apenas algumas migalhas para o povo pobre, como instrumento de dominação. Quer maior imoralidade?

2. O salário médio dos funcionários de uma mina da Kinross nos Estados Unidos, segundo informado pela própria mineradora, é o equivalente a R$9.500,00 (nove mil e quinhentos reais) mensais. O salário médio dos funcionários da RPM/Kinross em Paracatu é R$1.000,00 (mil reais), ou seja, quase dez vezes menos. Alguns dirão: o custo de vida nos Estados Unidos deve ser maior, por isso o salário deles também tem que ser maior. Nada disso. O custo de vida em Paracatu é maior que o lá dos Estados Unidos. Apenas nós nos acostumamos com isso, aprendemos o estúpido ensinamento de que devemos ser pobres, para que outros sejam ricos. Outros dirão: então a mina da Kinross nos Estados Unidos deve ser muito mais rica que a mina da RPM/Kinross de Paracatu, por isso eles podem dar melhores salários. Nada disso, a mina de Paracatu é a mais rica de todas as nove minas que a Kinross explora no mundo. Mais de 60% (isso mesmo, sessenta por cento) de todas as reservas de ouro provadas da Kinross no mundo estão aqui em Paracatu. Então a Kinross é mãe dos funcionários da sua mina nos Estados Unidos, e madrasta dos funcionários da mina de Paracatu? Somos piores?? Trabalhamos menos??? Também não. Trabalhamos muito mais, por muito menos, e ficamos doentes. E ainda temos que aguentar patrão ameaçando demitir a gente, se não participarmos da passeata deles. É de chorar de raiva!!

3. Por essas razões, Vasquinho e RPM/Kinross estão apanhando do povo como nunca. A razão é simples. Em princípio, eles são a mesma coisa: exploradores do povo, maus patrões. A moda de viola de Serrano Neves e João do Ouro dá uma pista disso: "A riqueza é nosso ouro, que eles estão levando; a pobreza é o nosso couro, que eles estão tirando". Esses desgraçados estão tirando o nosso couro!!!! Eles estão tirando o nosso couro!!!!

Os funcionários da prefeitura começaram a greve. Os funcionários e fornecedores da RPM/Kinross devem aderir. O povo todo deve aderir. É a mesma greve. É a mesma cidade, o mesmo planeta, a mesma pobreza, a mesma miséria.

As greves mostram quem tem poder e quem manda. 

Quem tem poder e manda é o povo unido.
-- 
Sergio Ulhoa Dani
Reserva do Acangaú, zona rural
Caixa postal 123
38.600-000 Paracatu MG
Brasil
srgdani@gmail.com
(+55 38) 9913-4457
(+55 38) 9966-7754