sábado, 16 de maio de 2009

Prefeitura invade domicílio para matar condenado


Prefeitura invade domicílio para matar condenado

Por Sergio Ulhoa Dani

O menor Bilú descansava em casa, quando foi raptado e morto. O autor do crime, segundo declarações lavradas na Polícia Civil pelo tutor do menor, Manoel Ozias Alves Frutuoso, foi um funcionário da Prefeitura Municipal de Paracatu, a mando do secretário de saúde.

"O Tobias, secretário de saúde, falou na minha cara que a ordem era pra pegar e matar mesmo; e se eu impedisse, ele ia chamar a polícia", denuncia Manoel.

Segundo Manoel, Bilú já estava marcado para morrer. O funcionário da Prefeitura já havia invadido seu domicílio treze dias antes, sem a sua autorização, para colher amostra de sangue do Bilú. Depois voltou já para matar, dizendo que o Bilú estava com leishmaniose.

"Até falsificaram a minha assinatura numa ficha da Prefeitura, para autorizar a morte do meu cãozinho de estimação", informa Manoel. "Como podem fazer isso?", pergunta, indignado.

Ele dirigiu-se à delegacia da Polícia Civil para lavrar um boletim de ocorrência de crimes de invasão de domicílio e falsidade ideológica. Mas o acusado não compareceu à audiência no Fórum. Suspeitando que o secretário de saúde mandou encobertar o caso, Manoel dirigiu-se à Corregedoria-Geral da Polícia Civil em Belo Horizonte, onde diz ter sido muito bem recebido.

Agora Manoel vai recorrer à Justiça para obter indenização por danos morais, invasão de domicílio, falsificação de documento e abuso de poder. Vida de cão.

Documentação:

. Boletim de ocorrência policial número 3402/07, da 23a Delegacia Regional da Polícia Civil de Minas Gerais em Paracatu, de 23/11/2007
. Declaração prestada na Corregedoria-Geral de Polícia Civil, em Belo Horizonte, dia 18 de fevereiro de 2008