segunda-feira, 27 de julho de 2009

Era só o que faltava: arsênio chega aos rios


Era só o que faltava: arsênio chega aos rios


A revista britânica Nature, a mais tradicional e respeitada revista
científica do mundo, publicou um estudo realizado por pesquisadores da
Universidade de Stanford, em julho de 2008, que prova que o arsênio é
liberado a partir de sedimentos superficiais alagados e transportado, pelo
aqüífero subjacente, até os rios.

Os autores do estudo descrevem como alterações ou desequilíbrios
hidrológicos causados pelas atividades humanas – como a construção de uma
barragem a montante das fontes de captação de água para consumo humano –
podem aumentar a concentração de arsênio na água e consequentemente causar
sérios problemas de saúde.

Esse estudo publicado na revista Nature engrossa o conjunto de provas e
evidências de que uma barragem de rejeitos da mineração de ouro no Vale do
Machadinho contaminará as preciosas águas superficiais e profundas de
Paracatu e região, com impacto negativo na bacia do Rio São Francisco.

Referência:

Polizzotto ML, Kocar BD, Benner SG, Sampson M, Fendorf S. 2008. Near-surface
wetland sediments as a source of arsenic release to ground water in
Asia. Nature 454(7203):505-8.
--
Sergio Ulhoa Dani
Tel. 00(XX)49 15-226-453-423
srgdani@gmail.com