segunda-feira, 13 de julho de 2009

UMA CAÇAMBA DE VENENO


UMA CAÇAMBA DE VENENO

por Serrano Neves

Essas caçambas para coleta urbana de lixo e entulho comportam aproximadamente dois metros cúbicos.

Cada metro cúbico de rocha Arsenopirita (FeAsS – Densidade=6,1) pesa aproximadamente 6 (seis toneladas).

Uma caçamba cheia de arsenopirita (tipo de rocha da qual a RPM/Kinross extrai o ouro) pesa, teoricamente, 12 (doze toneladas). Arredondando para rocha fragmentada pesa em torno de 8 (toneladas).

Cada tonelada de rocha arsenopirita contém 1 (um) quilo de arsénio (média de 1100 ppm - Henderson, 2006).

Uma caçamba então contém 8 (oito) quilos de arsénio, o suficiente para matar 56.000 (cincoenta e seis mil) pessoas.

Duas caçambas contém arsénio suficiente para matar toda a população de Paracatu, com folga.

Você deixaria colocar uma caçamba de arsenopirita na porta da sua casa?

Não?

Então saiba que existem 37.500.000 (TRINTA E SETE MILHÕES E QUINHENTAS MIL) caçambas de arsenopirita depositadas na barragem já existente.

Nos próximos 30 anos 100.000.000 (CEM MILHÕES) de caçambas serão depositadas na nova barragem, bem em cima das águas do Santa Rita.

A previsão (com base em dados da mineradora) é que a barragem atual libera 13 quilos de arsênio por ano nas águas, o suficiente para matar toda a população de Paracatu.

Imagine como ficará a liberação de arsênio na água com uma barragem 3 vezes maior.

Só a construção da nova barragem aponta para os seguintes danos.

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
Superintendência Regional de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Noroeste de Minas
PROTOCOLO Nº 320065/2009
Página 9

• Impacto visual na paisagem, na fase de instalação pela retirada da vegetação e
alteração do relevo devido inundação inicialmente somente com água e, depois,
com a disposição dos rejeitos.

• Devido à supressão vegetal e movimentação de solo/rocha proveniente das
atividades de decapeamento, terraplanagem, escavação do solo argiloso que será
usado como material de empréstimo para construção da barragem poderá levar a
geração de processos erosivos.

• A qualidade das águas dos córregos e nascentes da região, se não
implementadas medidas de controle adequadas, poderá ficar comprometida
devido ao carreamento de sedimentos oriundos das áreas expostas ou
contaminadas por óleo, graxa e combustível utilizados em veículos e máquinas
pesada. Além do risco referente à contaminação com os rejeitos dispostos.

• Durante o período de obras e também durante a operação ocorrerá geração de
ruído, vibração, e poeira (partículas em suspensão) ocorrerão devido à utilização
de máquinas pesadas e movimentação de veículos leves.

• Ocorrerá geração de resíduos na área de construção da barragem e postos de
combustíveis, dentre eles podemos destacar: resíduo orgânico gerado por resto e
sobras de alimentos, efluentes sanitários, materiais possíveis de ser reciclado ou
reaproveitado como: plástico, madeira, papel, papelão e resíduos perigosos como:
graxa, óleo, combustível, pilhas e baterias.

• Alteração das condições hidrogeológicas e hidrológicas na área da barragem
devido ao barramento do córrego Eustáquio e ao enchimento do reservatório.

• Alteração das Condições Hidrológicas Superficiais, devido ao aumento da área de
lavra.


Se você não quer esse veneno acumulado sobre as águas de Paracatu, impeça a construção da barragem nova como está projetada.

SALVE A RITINHA ! DEFENDA A LEI DAS ÁGUAS!