sábado, 13 de junho de 2009

Arsênio vai dar pano para manga



Arsênio vai dar pano para manga


Retirado de http://www.cepea.esalq.usp.br/pdf/certificacao.pdf

3.1. Estados Unidos

Os Estados Unidos foram responsáveis, em 2002, por 35% das exportações totais de
manga brasileira, destacando-se como segundo país importador de manga brasileira. No
caso da uva de mesa, a importância do mercado norte-americano para o Brasil é insignificante correspondendo a uma parcela mínima das exportações brasileiras em virtude do abastecimento pelo Chile no primeiro semestre do ano e pela própria produção americana, no estado da Califórnia no segundo semestre do ano.

Para a obtenção da autorização da importação de frutas e vegetais pelos americanos
é necessário um processo longo, custoso e bastante exigente no que se refere as inspeções rigorosas tanto no país de origem como no de destino (Funcex, 2003).

O principal requisito exigidos pelos Estados Unidos para a licença de importação do
USDA no pré-embarque é o selo do APHIS (Serviço De Inspeção Sanitária De Animais E
Vegetais) que nada mais é do que um certificado que engloba regulamentos sanitários,
fitossanitários e de saúde animal, apresentando para cada fruta e vegetal algumas normas específicas. Destacando-se as exigências para manga e uva, estudo de caso do presente trabalho, podemos citar que para a primeira é necessário o mergulho da
fruta em água quente, o chamado tratamento hidrotérmico (hot water dip) e um certificado com os dizeres “USDAAPHIS treatment with hot water”. A uva, por sua vez, recebe um tratamento de refrigeração antes de ser embarcada nos contêineres. O selo americano é emitido baseado na obrigatoriedade do monitoramento de um representante do próprio Ministério da Agricultura Norte-Americano (USDA), custeado pelos exportadores brasileiros, o que onera significativamente o processo de embarque, visto que a safra nordestina de manga ocorre no durante o segundo semestre do ano com grande movimentação nos packing houses e carregamentos diários. A safra de uva de mesa para exportação também ocorre no segundo semestre, porém em um período menor, entre os meses de outubro a dezembro.

Vale ressaltar, que, segundo os depoimentos da rede de colaboradores do Projeto
Hortifruti/Cepea, que os pré-requisitos exigidos para a obtenção do selo americano estão concretizados entre os exportadores brasileiros de manga e uva do Vale do São Francisco sendo adotados com sucesso pelos nordestinos, sendo o principal entrave os
“custos de estadia” dos responsáveis do ministério americano.

--
Sergio Ulhoa Dani
Tel. 00(XX)49 15-226-453-423
srgdani@gmail.com