quinta-feira, 12 de março de 2015

Repúdio ao repúdio

A Prefeitura de Paracatu divulgou uma "nota de repúdio" contra a reportagem do CQC da TV BAND exibida nesta segunda-feira, dia 09.03.2015. Um dos pontos "repudiados" foi o caso de um paciente com múltiplas lesões de pele sugestivas de neurofibromatose. Na entrevista, o paciente entrevistado associa a piora da intensidade das lesões à contaminação ambiental causada pela mineradora Kinross. O repórter da TV BAND tomou o depoimento do paciente e levou o caso ao conhecimento do Prefeito de Paracatu. O repórter não é médico nem cientista, portanto não pode ser acusado de "erro de diagnóstico" ou "sensacionalismo", como quer a Prefeitura de Paracatu na sua nota de repúdio. O papel dos médicos e cientistas é investigar se no caso retratado pela reportagem haveria a participação do arsênio na manifestação das lesões de pele sugestivas de neurofibromatose. A neurofibromatose é uma neoplasia geralmente benigna causada por uma mutação genética herdada. Sabemos que todo cancer é uma "doença genética", mas nem todo câncer é exclusivamente uma doença genética HEREDITÁRIA. Em vez de repudiar a excelente reportagem do CQC, a Prefeitura de Paracatu deveria agradecer pelo interesse e pelo alerta feito pela equipe corajosa da TV BAND. A Prefeitura deveria ter dito que tomará as providências no sentido de apoiar a realização de um estudo epidemiológico clínico-laboratorial de verdade, conduzido por médicos e cientistas com competência comprovada através de currículo e independentes da mineradora e do governo. A nota de repúdio da Prefeitura revela seu erro de percepção e falta de tato político, e reforça a tese de promiscuidade com a mineradora transnacional canadense Kinross Gold Corporation.