segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Mina subterrânea da Votorantim gera devastação ambiental

Mina subterrânea da Votorantim gera devastação ambiental

Maria Luisa Mendonça, de Vazante-MG, novembro de 2009

A estrada que leva à Vazante tem os contornos de Minas. As montanhas
onduladas, cobertas de cerrado, nem parecem reais. Têm um tom
cinematográfico. Por aqui passam os rios Santa Catarina e Paracatu,
que são afluentes do São Francisco. A região, rica em minérios, é
explorada pela Companhia Mineira de Metais, do Grupo Votorantim.


Em 1992, após o esgotamento da extração mineral na superfície, a
empresa passou a explorar uma mina subterrânea na região. A partir
daí, aumentou a destruição ambiental. "Essa mina é como a galinha dos
ovos de ouro da Votorantim. Mas para os moradores de Vazante, o
resultado é a rachadura das casas, a poluição da água e a destruição
das grutas naturais", explica a professora Dolores Solis, que
organizou um abaixo-assinado contra a empresa.

Em represália, a mineradora tentou processar Dolores judicialmente. "A
Votorantim manda na cidade. A empresa financiou até mesmo a reforma do
Fórum e da Prefeitura em Vazante. O prédio da Prefeitura recebeu o
nome da mãe de Antônio Ermírio de Moraes! É por isso que não tem
justiça" afirma Dolores.
Mesmo sem fundamento legal, o objetivo da empresa é intimidar outras
formas de protesto. Através de uma ação judicial, a mineradora
conseguiu retirar um sítio da Internet que continha denúncias sobre
sua atuação. A solução foi passar a página de um servidor brasileiro
para outro internacional, atualmente com o endereço:
http://www.ecodenuncia.org/.

Diversos estudos de impacto ambiental confirmam o desastre ecológico
causado pela Votorantim. Em 1992, a FEAM (Fundação Estadual do Meio
Ambiente) constatou que a exploração subterrânea de minério causaria
"subsistência (afundamento) dos terrenos, conflitos por escassez de
água e problemas na qualidade dos afluentes".
Em abril de 1999, ocorreu um grave acidente na mina subterrânea, a 350
metros de profundidade. A escavação atingiu um imenso lençol freático
e a água invadiu a mina. Com isso, a empresa passou a realizar o
bombeamento contínuo de grande quantidade de água. O relatório da FEAM
afirma que a quantidade de água bombeada deveria ser no máximo de 2600
metros cúbicos por hora, mas atualmente essa quantidade é superior a
7500 metros cúbicos por hora. Este é um dos maiores níveis de
bombeamento de água subterrânea no mundo e o maior já feito no Brasil.
A cada ano, a quantidade de água bombeada equivale ao tamanho da baía
da Guanabara.
Um documento elaborado pelo vereador Donizetti Vida para a Promotoria
Pública de Vazante alerta que, "o desperdício de água, numa proporção
de 180.000 metros cúbicos por dia, seria suficiente para abastecer uma
cidade com 360 mil residências com consumo diário de 500 litros cada".

Desta forma, um dos principais problemas apontados na operação da mina
subterrânea é a quantidade de água bombeada do subsolo, que causa o
rebaixamento do lençol freático e das reservas de águas subterrâneas.
A região, que apresenta sub-solo calcáreo, abriga enormes aqüíferos. O
resultado desse desperdício tem sido a drenagem de águas subterrâneas,
de córregos, lagoas e açudes. A Lagoa do Sucuri e o Poço Verde,
próximos à mina, secaram completamente. Estes eram locais de lazer da
população local, onde a água era limpa e havia grande quantidade de
peixes. Ocorre também o problema da contaminação dos solos, rios e
água pelos rejeitos da mineração, como no Rio Santa Catarina. A
contaminação do rio por metais pesados causou a morte de milhares de
peixes e destruiu praticamente toda a sua fauna.
Em 25 de outubro de 1999, o editorial da Folha Noroeste (de Paracatu,
MG) denuncia que "uma enorme quantidade de rejeitos da mineração está
sendo lançada no rio Santa Catarina, em volume superior a vazão do
próprio rio. O que era água límpida e pura se transformou numa
corrente de lama que, de tanto material sólido, mal consegue correr
pela calha daquele importante manancial d'água". O jornal noticiou
também que uma das substâncias encontradas no rio Santa Catarina foi o
cádmio, um subproduto tóxico da refinação do zinco que, mesmo se
absorvido pela população em pequenas quantidades, pode causar
insuficiência renal e deformação óssea.
Especialistas da Universidade Federal de Uberlândia constataram que o
nível de zinco no rio era 50 vezes maior do que o limite permitido por
lei, o nível de chumbo era 137 vezes maior, o de manganês era 149
vezes maior e o de ferro era 9 vezes maior do que o limite legal. A
contaminação com esses metais pode causar desde inflamação
gastro-intestinal, toxidez crônica, anorexia, paralisia, distúrbios
visuais, anemia e convulsões, até envenenamento e morte.

Estudos mostram que a água subterrânea no local está ligada ao
Aqüífero Guarani. Este é o maior manancial subterrâneo do mundo e
abrange parte do território do Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.
No Brasil, o Aqüífero Guarani está localizado nos estados de Goiás,
Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e
Rio Grande do Sul.

A mineradora coloca em risco outro importante patrimônio natural, pois
em Vazante estão localizadas algumas das maiores grutas de Minas
Gerais. O rebaixamento do lençol freático pode causar o desmoronamento
dessas grutas. Um laudo elaborado por técnicos da Universidade Federal
de Uberlândia constatou ainda que a diminuição do nível do aqüífero
pode levar a "destruição de edifícios e equipamentos urbanos. Pessoas
podem ser vitimadas pela destruição de suas moradias".

Com a drenagem da água subterrânea, aumentaram os fenômenos conhecidos
como dolinas -enormes crateras que se formam de maneira abrupta, como
se fosse uma implosão. Em seu livro "Crateras da Cobiça", o jornalista
J. Carlos de Assis explica como ocorre a formação dessas crateras.
"Quando essas águas são bombeadas, no processo de sucção na frente de
mineração subterrânea, reduz-se a resistência ao peso da superfície,
que é tragada para os bolsões secos, formando as dolinas".
Mais de 100 agricultores locais, em uma área que abrange um diâmetro
de 92 quilômetros, foram afetados pela formação de centenas de dolinas
e pela poluição do solo e das águas. Somente em uma dessas fazendas,
que faz divisa com a mina, existem hoje mais de 40 dolinas. Cada uma
delas tem em média 25 metros de diâmetro e entre 12 e 25 metros de
profundidade.

A produção agropecuária se tornou inviável e a secagem de poços gerou
um risco de desabastecimento de água para a população. Há também um
processo de desertificação dos solos e destruição da biodiversidade. A
criação de gado praticamente acabou, pois os animais morrem
envenenados quando bebem a água contaminada do rio.

As fazendas Salobo e Olaria, localizadas nas proximidades da mina,
eram conhecidos centros de criação de gado da raça Pardo-Suíça. Com a
poluição das fontes de água, utilizadas para o consumo animal, todo o
rebanho morreu. Estima-se que somente nesta fazenda morreram 493
animais. Atualmente são registrados também altos índices de aborto no
gado da região. O Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente
(CODEMA) atribui este fenômeno à presença de mercúrio, chumbo e zinco
na água.

Especialistas advertem que há também risco de aumento de acidentes
fatais, como o que ocorreu em 2002, quando o operário Elias Marques
Jordão morreu soterrado na mina subterrânea. O jornalista J. Carlos de
Assis afirma que "o acidente pode ser descrito como um processo de
dolinamento, igual a centenas de outros em Vazante, só que visto de
baixo para cima".

Edgar Lunes, representante do Sindicato dos Trabalhadores nas
Indústrias Metalúrgicas de Vazante, conta que os operários precisam
cumprir uma meta de produção, que aumenta todos os anos. Isso exige um
esforço cada vez maior dos trabalhadores. "Entre 1998 e 2006, a meta
de produção aumentou 100%. O salário depende das horas trabalhadas e
não há estabilidade no emprego", explica.

Recentemente, a Votorantim anunciou que pretende aumentar a exploração
nesta mina e, consequentemente, a produção na siderúrgica de Três
Marias, que é abastecida pelo minério de Vazante (ver matéria sobre
desastre ecológico em Três Marias na edição anterior do Jornal Brasil
de Fato).

Até 2010, a empresa pretende aumentar a produção de zinco de 180 mil
para 260 mil toneladas por ano. Para isso, deve pressionar os órgãos
ambientais para a liberação de uma outorga de água ainda maior em
Vazante. O pedido de outorga mais recente da Votorantim pretendia
aumentar o bombeamento de água na mina subterrânea para 16 mil metros
cúbicos de água por hora. Essa quantidade seria quase três vezes maior
do que a atual.

Os moradores de Vazante, atingidos pela destruição ambiental, parecem
perplexos com o poder da empresa. Uma das táticas de chantagem
utilizadas pela Votorantim é a ameaça de despedir funcionários e
provocar uma crise econômica no município. O problema é que grande
parte da população local não percebe que os prejuízos causados pela
mineradora são muito maiores do que representaria a interrupção de
suas atividades.

Outro mecanismo que a empresa encontrou para conter os protestos e as
ações judiciais tem sido a cooptação, através de acordos paliativos,
como a entrega de água em carros-pipa, a abertura de poços, o
aterramento das dolinas ou até mesmo a compra das fazendas atingidas.
Porém, agricultores que decidiram seguir com os processos contra a
Votorantim denunciam que a água fornecida pela empresa está
contaminada, assim como a terra usada para cobrir as dolinas, pois a
vegetação não se recompõe nesses locais.

O que está em jogo em Vazante é, de um lado, o poder de um dos maiores
grupos econômicos do país e, de outro, o agravamento de um desastre
ecológico irreversível.

--
Sergio Ulhoa Dani, Dr.med., D.Sc. habil.
Göttingen, Germany
Tel. 00(XX)49 15-226-453-423
srgdani@gmail.com