sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

DIGAM QUE NÃO

Manter o povo em estado de ignorância é a mais indignificante forma de exploração.

O direito a um meio-ambiente ecologicamente equilibrado não acaba  na geração presente nem no dia de hoje.

Esse direito deve assegurar que amanhá e em todo o futuro nós e nossos descendentes possamos desfrutar de equilíbrio ambiental que garanta a saúde e a vida.

Meio-ambiente equilibrado é um direito, e como direito não pode ser demonstrado pelo que é visto a olho nú, como já foi dito por um cidadão local: “vocês estão falando bobagem pois ainda não vi ninguém envenenado cair morto no meio da rua”.

O câncer, por exemplo, é um mal não visto enquanto se instala e, quando visto, já está a meio caminho de matar o portador, daí as campanhas de prevenção: 

SAIBA SOBRE O QUE VOCÊ NÃO ESTÁ VENDO ANTES QUE SEJA TARDE PARA REMEDIAR

Os índices de arsênio têm sido apresentados como normais segundo a lei, mas a lei não pode garantir que sendo normais não estejam causando dano à saúde.

A lei já disse que o índice normal era 50, baixou para 10 ou 5, e agora está dizendo que é 3, ou seja, depois que a ciência mostrou o erro, o índice baixou.

Não basta dizer que a lei está sendo cumprida, é preciso dizer que o cumprimento da lei não está causando dano.

A LEI NÃO PODE SER UMA AUTORIZAÇÃO PARA ENVENENAR A LONGO PRAZO

A mineração é uma atividade dentro da lei (ou quase dentro) e não temos nada contra ela (mas poderemos ter). Por enquanto só queremos saber se não estamos pagando em ouro o preço do veneno que podemos estar ingerindo e danando nossa saúde.

DIGAM QUE NÃO!

DIGAM QUE NÃO!

Mas digam depois de realizarem os levantamentos (sérios e acompanhados) de saúde ambiental e epidemiológicos.
Realizem os levantamentos, assinem embaixo e divulguem para que todos possam saber se seus direitos estão sendo garantidos.