sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

CULPA POR OMISSÃO

A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE E DA VIDA DEVE TER PRIORIDADE SOBRE A SUSTENTABILIDADE DA ECONOMIA

Alguns dizem que a divulgação de informações sobre provável contaminação por arsênio e outros metais pesados pode comprometer a economia local, principalmente a economia gerada pelo uso de solo e água: carne, leite e seus derivados, hortaliças, frutas, grãos etc, que sejam produzidos na área impactada pela poeira ou na bacia de drenagem e lençol freático que recebem águas da zona de mineração.

O preocupante não é a perda da economia e sim o silência que pode estar acobertando o uso local e a exportação de produtos contaminados.

Passam sete meses que um pedido oficial de levantamento epidemiológico e de saúde ambiental deu entrada no protocolo da Prefeitura e nenhuma resposta satisfativa foi dada até hoje, apesar das cobranças.

É urgente que respondam com ações.

Sim, fomos nós que levantamos a dúvida, com fundamento em situações semelhantes: 


SE ACONTECEU EM OUTROS LUGARES ENTÃO É PRECISO VERIFICAR SE ESTÁ OU NÃO ESTÁ ACONTECENDO A MESMA COISA EM PARACATU.


A população tem o direito de conhecer provas científicas colhidas de forma imparcial e com a participação da comunidade.

O que existe é uma dúvida mortal, e temos dois desejos:

1) que provem não existir contaminação e seremos os primeiros a comemorar a sorte da 
população e da economia, mas sem abandonar a vigilância que nos garanta um futuro saudável;

2) que existindo contaminação sejam tomadas medidas sérias para acudir a saúde ambiental e populacional, e que os responsáveis pela omissão sejam chamados a prestar contas.