segunda-feira, 4 de julho de 2011

Governo espanhol ocultou durante sete anos estudo sobre arsênico e metais pesados em peixes

Governo espanhol ocultou durante sete anos estudo sobre arsênico e metais pesados em peixes

O título é do texto publicado no ECODEBATE, edição de 4 de julho de 2011, onde pode ser lido na íntegra.
http://www.ecodebate.com.br/2011/07/04/governo-espanhol-ocultou-durante-sete-anos-estudo-sobre-arsenico-e-metais-pesados-em-peixes/

Destaco do texto o temor do governo espanhol quanto ao impacto negativo da divulgação da contaminação no setor pesqueiro, qual seja, em letras simples: a economia precisa ser conservada, a saúde do povo não.


A constituição espanhola é de 1978, dez anos mais velha do que a do Brasil e está ancorada nos mesmos princípios do estado democrático de direito e da soberania popular.

É possível que aqui, como lá, a soberania econômica esteja prevalecendo sobre a soberania popular.

É por isto que sempre falamos em genocídio.

Genocídio na forma deliberada, escolhida, selecionada e praticada de permitir que o povo seja intoxicado por venenos enquanto a economia recebe a poderosa vacina da ocultação da informação necessária para a proteção dos humanos.

Nós, do ALERTAPARACATU, temos insistido na coleta de informações que sirvam para a proteção das pessoas contra o envenenamento crônico por arsênio produzido pela dispersão a partir da mineração no Morro do Ouro, parede e meia com a cidade.

Aqui, como lá, a informação é sonegada.

Lá, como aqui, uma ONG (OCEANA) litigou judicialmente por três anos para que as informações fossem divulgadas.

Foram.

A A Agência Espanhola de Segurança Alimentar e Nutrição baixou recomendações sobre o consumo de peixes com especial destaque para a proteção das grávidas, das nutrizes e das crianças, recomendação esta já feita pela FDA nos Estados Unidos, com o mesmo propósito de proteção.

Suponhamos que você coma 100 gramas de peixe por semana, dentro do limite recomendado pelas autoridades européias para as grávidas e lactantes.

Mas, você respira entre 14 a 20 vezes por minuto, ou seja, de 20.160 a 28.800 vezes por dia.

Como você está sentado, descansado, sem se importar em estar sendo envenenado, considere 20.000 respirações por dia.

Eu poderia tentar calcular quantas respirações venenosas correspondem a 100 gramas de peixe venenoso mas o tal cálculo em partes por bilhão é pouco inteligível, então, simplifico.

Comparo 100 gramas de peixe por semana com 140.000 respirações por semana como limite seguro, e concluo que, se você levantar da cadeira para fazer alguma coisa em favor da saúde sua e da sua família sua respiração irá acelerar e você se envenerá mais depressa.

Recomendação 1: respirando menos você levará mais tempo para se envenenar, logo, não corra, não jogue futebol, não se estresse, fique sentado sem fazer nada, de preferência cochilando (a frequência respiratória pode baixar para 10 ou 12 por minuto) e ignorando, esperando a morte chegar.

Recomendação 2: acredite que o interesse do governo em aumentar a mineração no Brasil é uma providência necessária para aumentar a arrecadação que permitirá que o sistema de saúde atenda você quando os sintomas do envenamento crônico por arsênio começarem a aparecer, garantindo também um enterro digno.

Recomendação 3: acredite que o aumento da renda, dos empregos e dos benefícios sociais é vacina contra envenenamento por arsênio.

Lembre-se: você tem o direito de escolher como quer viver ou morrer; nós temos o dever de informar e alertar.