sábado, 3 de janeiro de 2015

Canadá aprova lei da transparência dos pagamentos facilitadores

A pressão internacional contra a corrupção e a destruição socioambiental praticadas pelas mineradoras canadenses, especialmente a Kinross Gold Corporation em Paracatu [1] parece ter dado algum resultado: o parlamento do Canadá aprovou uma lei de transparência dos pagamentos facilitadores feitos pelas empresas canadenses.

Leia a reportagem que saiu em novembro próximo passado, na revista ‘The Economist’:

http://www.economist.com/news/business/21633871-government-promises-keep-promoting-miners-and-energy-firms-interests-abroad-if-they 

A indústria da exploração e mineração canadense, em números:

C$174 bilhões ($169 bilhões de dólares norte-americanos) de receita de exportação de minerais, óleo e gás em 2013

Mais da metade das companhias de exploração e mineração listadas publicamente no mundo têm sede no Canada

1.500 firmas canadenses ativas em mais de 100 países

Nota:
[1] Em Paracatu-MG a transnacional canadense Kinross Gold Corporation opera a maior mina de ouro a céu aberto do Brasil, destrói nascentes e contamina o ambiente, expulsa, envenena e mata a população nativa com o apoio dos governos canadense e brasileiro. Para atingir seus objetivos, a Kinross contrata, compra ou suborna funcionários públicos, direta ou indiretamente. Entre os casos conhecidos destacam-se a contratação, pela Kinross, de um ex-secretário de governo do Estado de Minas Gerais, e diversos pagamentos facilitadores feitos pela Kinross em Paracatu. Dois artigos censurados deste blog, diversos artigos publicados em inglês no blog sosarsenic, e os contatos que fizemos com o Parlamento Canadense e a Polícia Federal do Canadá somaram-se à pressão internacional crescente contra a corrupção praticada pelas mineradoras canadenses com o apoio governamental e levaram o Parlamento Canadense a aprovar a lei de transparência dos pagamentos facilitadores.