terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Estimativa do efeito letal da biovolatilizacao do arsênio de Paracatu, Minas Gerais, Brasil.


Estimativa do efeito letal da biovolatilizacao do arsênio de Paracatu, Minas Gerais, Brasil.

Por Sergio U. Dani, de Heidelberg, Alemanha, em 4 de dezembro de 2012.

Certos microorganismos dos solos sao capazes de volatilizar (transformar em gás)  o arsênio presente no solo.


Considerando:

a) uma área de 2 mil hectares de solos contaminados por arsênio pela mineradora canadense Kinross Gold Corporation em Paracatu;

b) uma espessura de solo superficial de 20 cm;

c) uma taxa de volatilizacao de arsenio da ordem de 70 microgramas por kilograma de solo por ano (1),

Chega-se à estimativa de 240kg de arsênio volatilizado por ano pela
Kinross Gold Corporation em Paracatu.

Um kilograma de arsênio é suficiente para matar 7 mil pessoas. O potencial letal atual da biovolatilizacao do arsênio "marca Kinross de Paracatu" é da ordem de 1.680.000 (um milhao, seiscentos e oitenta mil) pessoas por ano.

Esta estimativa nao leva em conta a exposicao por outras fontes, a bioaccessibilidade, a difusao, a bioacumulacao e a biomagnificacao.

A exposicao total ao arsênio é a soma da exposicao a partir de todas as fontes (alimento, água, ar, etc.), por todas as vias (respiratória, digestiva, etc.).

Nao existe dose segura para um elemento cancerígeno como o arsênio.

O ar transporta o arsêno para longas distancias.

O arsênio persiste no ambiente por séculos ou milênios.

Arsênio é uma arma clássica de homicídio. Atualmente, tem sido usado como arma de genocídio.

Referência:

1. Mestrot A, Feldmann J, Krupp EM, Hossain MS, Roman-Ross G, Meharg
AA. 2011. Field fluxes and speciation of arsines emanating from soils.
Environ Sci Technol. 45: 1798-804